sábado, 13 de dezembro de 2014

Espera


Ela tarda... E eu me sinto inquieto, quando
julgo  vê-la  surgir,  num  vulto,  adiante,
- os  lábios  frios,  trêmula  e  ofegante,
os seus olhos nos meus, linda, fitando...

O céu desfaz-se em luar... Um vento brando
nas folhagens cicia, acariciante,
enquanto com o olhar terno de amante
fico à sombra da noite perscrutando...

E ela não vem...Aumenta-me a ansiedade:
- o segundo que passa e me tortura,
é o segundo sem fim da eternidade...

Mas eis que ela aparece de repente!...
- E eu feliz, chego a crer que igual ventura
bem valia esperar-se eternamente!..

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog

Você vai marcar a primeira opção?